Sábado, 29 de Abril de 2017
ANNA MARIA COSTA RIBEIRO

FLÁVIO GATTI E A FRONTEIRA CHIQUITANA BRASIL-BOLÍVIA

​Flávio Gatti lançou Fronteira Chiquitana: potencialidades, perspectivas e experiências turísticas entre Brasil e Bolívia

 

Flávio Gatti lançou ‘Fronteira Chiquitana: potencialidades, perspectivas e experiências turísticas entre Brasil e Bolívia’. Resultado de pesquisa em âmbito de doutoramento, o livro, dentre outros propósitos, desvenda os motivos pelos quais os dois países apresentam dificuldades em incrementar produtos turísticos, ainda difíceis de serem amplamente comercializados.

O livro, ao seguir pelo caminho do Turismo, expõe uma visão favorável à integração entre os dois países via atividade turística que pode contribuir para aproximar as nações sul-americanas, especialmente Brasil-Bolívia. Na visão de Gatti, roteiros turísticos integrados se apresentam como estratégias que rompem o isolamento que leva ao enfraquecimento e à desvalorização humana. Integrar paisagens do Oeste de Mato Grosso às da Bolívia são possibilidades que vão além dos aspectos turísticos, mas que podem atingir uma efervescente rede sociocultural entre os dois países.  O livro se propõe a fomentar a economia local e regional e promover a melhoria de vida das populações que habitam a linha seca que desenha esse espaço fronteiriço.

Dentre as potencialidades turísticas, Gatti apresenta um roteiro turístico que integra o Brasil às Missões Jesuíticas, na Bolívia, tombadas pela Unesco como Patrimônio Cultural da Humanidade. O circuito parte do Pantanal mato-grossense, chega a Santa Cruz de la Sierra e segue para San Ramón, San Javier, Concepción, San Ignacio, Santa Ana, San Miguel, San Rafael, San José Chochis e finaliza em Santiago. O destaque está em suas igrejas, construídas pelos missionários europeus e pela população indígena da região entre os séculos XVII e XVIII, integrando assentamentos que deviam fidelidade à Coroa espanhola.

Para aqueles que não conhecem as Missões Jesuíticas, o livro de Gatti incita o leitor a desvendar lugares pouco explorados por brasileiros. Para aqueles que já conhecem, a leitura é um estímulo a revisitar uma região de condições de opulência e de singeleza. Imperdível!

Anna

Anna Maria Ribeiro Costa

Anna é doutora em História, etnógrafa e filatelista e semanalmente escreve a coluna Terra Brasilis no Circuito Mato Grosso.

COMENTAR