PUBLICIDADE

Plantão - Página 9430

'Caçadores de amor' chineses buscam esposas para bilionários

'Caçadores de amor' chineses buscam esposas para bilionários

A China está crescendo em um ritmo supreendente, mas um 'artigo' vital está em falta - mulheres jovens. Homens em idade de se casarem são confrontados com um número cada vez menor de parceiras do sexo feminino em potencial - e a competição para encontrar uma noiva é feroz.

Cabral critica ocupação do plenário da Câmara do Rio por professores e defende diálogo

Cabral critica ocupação do plenário da Câmara do Rio por professores e defende diálogo

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, disse hoje (29) que a melhor forma de defender as reivindicações é por meio de diálogo, ao falar sobre a ocupação do plenário do Palácio Pedro Ernesto, sede da Câmara Municipal do Rio, por professores. Cabral não quis comentar se houve excessos da Polícia Militar durante a desocupação, na noite de ontem (28), conforme informaram professores. Ele disse que não viu as imagens e por isso não pode julgar o comportamento dos policiais.

Perséfone é rejeitada pelos pais de Daniel por ser gorda

Perséfone é rejeitada pelos pais de Daniel por ser gorda

É difícil acreditar que exista tanta gente preconceituosa nesse mundo! Credo! Infelizmente, é isso que Perséfone (Fabiana Karla) e Daniel (Rodrigo Andrade) vão descobrir quando o rapaz contar para a família que está namorando a enfermeira.

Renata Ceribelli e Zeca Camargo anunciam que deixarão 'Fantástico'

Renata Ceribelli e Zeca Camargo anunciam que deixarão 'Fantástico'

Zeca Camargo e Renata Ceribelli anunciaram ao vivo, nesse domingo (29), que deixarão o Fantástico. Renata Vasconcellos assume o programa com Tadeu Schmidt.  Zeca apresentará o Vídeo Show em novembro e Renata será correspondente exclusiva do Fantástico em Nova York. 

Presidente do Paraguai se reúne com Dilma no Palácio do Planalto

Presidente do Paraguai se reúne com Dilma no Palácio do Planalto

O presidente do Paraguai, Horacio Cartes, que tomou posse há menos de dois meses, se reúne hoje (30) com a presidenta Dilma Rousseff para discutir as relações comerciais com o Brasil e o retorno ao Mercosul, entre outros temas. Cartes será recebido por Dilma, com honras de chefe de Estado, na rampa do Palácio do Planalto às 11h. Os dois presidentes farão a reunião no gabinete presidencial, juntamente com suas equipes. Às 12h20, Dilma e Cartes farão uma declaração à imprensa e depois almoçarão em banquete oferecido a Cartes no Palácio Itamaraty.

Presidente da Câmara propõe mudar nome de Cáceres e evangélicos criticam

Presidente da Câmara propõe mudar nome de Cáceres e evangélicos criticam

O presidente da Câmara de Cáceres, Alavasir Alencar (PP) apresentou Projeto de Lei que propõe alterar o nome do município para São Luiz de Cáceres, já adotado pela cidade em 1874. No entanto, a ideia não foi bem recebida pelos evangélicos que criticam a iniciativa.   De acordo com Alencar, que é católico, a proposta surgiu após uma conversa com o bispo Dom Antonio Villar, que sugeriu a mudança tendo em vista a retirada forçada do “santo” do nome da cidade.   “O bispo me procurou, pois em 1938 houve um decreto, sem consultar o povo, que mudou o nome da cidade. Inclusive, naquela ocasião, foram erguidas bandeiras de luta em vários pontos da cidade, principalmente em frente à Catedral São Luiz. Foram erguidas bandeiras pretas em forma de luto contrário ao decreto”, explica. Para “compensar” a mudança, o projeto retomaria o nome antigo de São Luiz de Cáceres após a convocação de um plebiscito e aprovação pela sociedade cacerense.   “Como somos democráticos. Vamos ouvir as pessoas, ouvir a maioria independente de classe social e religiosa sobre a viabilidade ou não do projeto. A igreja católica pede que volte o nome original da cidade”, aponta.   A proposta foi apresentada em sessão no dia 3 de setembro, que contou com a presença do bispo e foi aprovada por unanimidade pelos vereadores. Com isso, os evangélicos do município se manifestaram contrário à ideia.    O  pastor da Igreja Evangélica Assembleia de Deus, Izaque Barbosa, esteve na Câmara no dia 23 para repudiar a proposta. Segundo ele, o maior problema de acatar o projeto é que a mudança vai ferir a consciência religiosa do cacerense.    “Nós veneramos a um só Deus, Jesus Cristo, e nossa fé esta baseada na Bíblia sagrada que preceitua que Bem aventurada é a nação cujo Deus é o Senhor. Por este efeito bíblico que é a nossa base de fé, nós teremos nossa consciência prejudicada porque a nossa fé não aceita a veneração a um santo”, explica.   Além de questões peculiares a religião, o pastor aponta o alto gasto com o plebiscito que deverá ser desembolsado pelos cofres públicos mesmo com a necessidade do recurso ser investido em outro setor como saúde, por exemplo. “A consulta pública custará mais de R$ 186 mil. Isto considerando que cada voto custe o valor de R$ 3, 04”, afirma pastor que também é formado em ciências contábeis.   Izaque explica que o cálculo foi feito com base no número da população eleitora do Estado e no gasto realizado no último pleito municipal. “Esse é um custo sem considerar o gasto com publicidade, conscientização da população, segurança e outras despesas envolvidas neste processo”, afirma.   GASTOS PARA A POPULAÇÃO   Outro ponto lembrado pelo pastor é o gasto da população. Um exemplo é a troca da placa dos automóveis. Na cidade há, pelo menos, 36 mil veículos, que segundo o pastor, vai sair no prejuízo com a mudança.    “Para trocar as placas dos veículos cheguei a um custo estimado de mais de R$ 2,8 milhões. É uma cifra muito grande que a população cacerense terá que pagar.”, aponta.   Para finalizar, o pastor lembra que a mudança do nome poderá afetar aos moradores no sentido de perderem sua identidade, já que se vive em um mundo tecnologia em que Cáceres tem história para além do município.    “O significado do nome vai além da mente do cacerense tornando-se noção de identidade e sentimento de pertencimento. É uma apropriação e uma internalização de todos nós”.   COBRANÇA PARA PREFEITURA E CÂMARA   Em meio à criticas o pastor cobra bom senso da Câmara e da Prefeitura para não validação da ideia. “Eu não posso falar em nome da ala religiosa, mas sim a parcela da comunidade cacerense ligada a Assembleia de Deus. Queremos que a Câmara reconsidere o projeto, faça uma analise e um estudo de viabilidade do projeto”, afirma.   Questionado sobre os custos altos da realização de um plebiscito e do gasto da população com a ideia, o vereador Alencar assegurou que se trata de um projeto que não tem a intenção de prejudicar o município e que por isso, todas as críticas e sugestões serão analisadas.   “Se for comprovado que o plebiscito trará despesas altas para o município, já que ele passa por um momento financeiro muito difícil, vamos deixar para outra ocasião. Não temos pressa.”, finaliza.     Hipernotícias  

"Cáceres, 235 Anos de História”: aberta a exposição com imagens históricas

A Universidade do Estado de Mato Grosso participa da programação do evento “Cáceres, 235 Anos de História”. A atividade, realizada pela Prefeitura Municipal, tem a parceria da universidade, que apresenta resultados de alguns de seus projetos em diferentes áreas do conhecimento. A ação comemorativa começa amanhã e vai até o próximo domingo, dia 6.     Identidade, cultura e tempo   Integra a programação a exposição fotográfica “Cultura e imagens do cotidiano da cidade de Cáceres”.A mostra é organizada pelo Núcleo de Documentação de História Escrita e Oral do Curso de História da Unemat (Nudheo) e tem a curadoria do professor João Ivo Puhl, coordenador do núcleo e da professora Socorro Araújo, chefe da faculdade de Ciências Humanas e Sociais.   São 100 fotos reunidas em cavaletes que percorrem momentos históricos da cidade no século XX, com especial menção à década de 1970, quando o Brasil passava por um movimento de interiorização e modernização motivado pelas políticas públicas de então, como frisa o professor Puhl.   O conjunto de imagens reunido é inédito, sendo pensando especialmente para o evento. O recorte temático privilegia aspectos culturais da vida diária da cidade. “Nossa intenção foi nos valermos do acervo que temos no núcleo e expor as fotografias como uma forma de aproximação da sociedade, fazendo com que a cidade se veja a partir das imagens, esbarrando assim, em temas como identidade, cultura e tempo. É uma oportunidade também de as pessoas saberem o que fazemos no núcleo”, esclarece a professora.   A mostra fica exposta na Praça Barão do Rio Branco na noite de  domingo. Entre segunda e sexta-feira, as fotos poderão ser vistas na Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Turismo- Sematur. Professores e bolsistas do curso estarão presentes para dialogar com os visitantes. “Este diálogo também servirá como uma fonte de pesquisa e pode redundar em novos projetos”, finaliza Araújo. A entrada é gratuita.   Jornal Oeste        

Militância no PT vira critério para participar do 'Minha Casa, Minha Vida'

Militância no PT vira critério para participar do 'Minha Casa, Minha Vida'

Líderes comunitários filiados ao PT usam critérios políticos para gerir a maior parte dos R$ 238,2 milhões repassados pelo programa Minha Casa Minha Vida a entidades para a construção de casas populares em São Paulo. Onze das 12 entidades que tiveram projetos aprovados pelo Ministério das Cidades são dirigidas por filiados ao partido. Suas associações privilegiam quem participa de atos e manifestações de sem-teto ao distribuir moradias, em vez de priorizar a renda na escolha. Entre gestores dos recursos, há funcionários da gestão de Fernando Haddad (PT), candidatos a cargos públicos pela sigla e até uma militante morta há dois anos. A partir de repasses diretos, as associações selecionadas pelo governo federal escolhem quem vai sair da fila da habitação em São Paulo. Os critérios não seguem apenas padrões de renda, mas de participação política. Quem marca presença em eventos públicos, como protestos e até ocupações, soma pontos e tem mais chance de receber a casa própria. Para receber o imóvel, os associados ainda precisam seguir regras adicionais às estabelecidas pelo programa federal, que prevê renda familiar máxima de R$ 1,6 mil, e prioridade a moradores de áreas de risco ou com deficiência física. A primeira exigência das entidades é o pagamento de mensalidade, além de taxa de adesão, que funciona como uma matrícula. Para entrar nos grupos, o passe vale até R$ 50. Quem paga em dia e frequenta reuniões, assembleias e os eventos agendados pelas entidades soma pontos e sai na frente. Os empreendimentos são projetados e construídos pelas associações, que hoje reúnem uma multidão de associados. São mais de 50 mil pessoas engajadas na luta pelo direito à moradia. Além das entidades dos petistas, há ainda uma outra dirigida por um filiado ao PCdoB. Ministério O Ministério das Cidades afirmou desconhecer que a presença em atos públicos, como protestos e ocupações, renda pontos às pessoas que lutam por uma moradia na capital. A pasta informou apenas que as entidades podem criar regras adicionais às estabelecidas pelo Minha Casa Minha Vida, sem a necessidade de aprová-las no governo. Da mesma forma, o ministério disse que não pode interferir em regras internas dos movimentos de moradia e, por isso, não tem como impedir a cobrança de taxas e mensalidades.      jornal O Estado de S. Paulo.  

Valorização profissional é reafirmada no 15º Congresso Estadual do Sintep

Valorização profissional é reafirmada no 15º Congresso Estadual do Sintep

A luta por valorização profissional foi reafirmada no 15º Congresso Estadual do Sintep/MT, que terminou neste domingo (29), no Hotel Fazenda Mato Grosso em Cuiabá.  Durante a plenária deliberativa, que debateu as propostas de emendas ao texto-base a categoria apontou a necessidade de diminuir as distorções entre as carreiras das redes municipais e estadual. Um grande espaço de discussão foi aberto com os cerca de 1 mil delegados que fizeram parte da plenária deliberativa na manhã de hoje. Proposta por proposta de emenda os trabalhadores da educação, representando seus municípios, foram avaliando e deliberando as questões. Desta forma o texto base, que norteia as ações do movimento sindical em Mato Grosso, foi sendo modificando com a participação de todos. Foram avaliados dentro do texto base o estatuto do Sintep/MT, o plano de lutas, a política educacional e sindical e conjunturas regional, nacional, internacional. Para o presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) Henrique Lopes do Nascimento a plenária foi uma grande construção realizada pelos profissionais da educação. “Superamos as expectativas do ponto de vista daquilo que a gente propôs para ser encaminhado. A partir daqui o Sintep/MT estará pronto para seguir em frente”, diz. De modo geral os trabalhadores da educação pontuaram a necessidade de lutar cada vez mais pela valorização profissional. A distorção, ainda existe, entre redes municipais e estadual, causa grandes conflitos. Segundo Henrique o texto base prevê que estas diferenças sejam cada vez mais diminuídas, levando ao entendimento do Sistema Único de Educação (SUE). Antes da abertura da plenária os estudantes do Colégio de Educação de Jovens e Adultos (Ceja) de Jaciara apresentaram a dança ao som da música Vermelho de Fafá de Belém. O 15º Congresso Estadual do Sintep/MT iniciou dia 26 de setembro com palestras, meses de interesse até chegar à plenária deliberativa. Participaram especialistas em educação e pessoas do movimento sindical.   Ícone Assessoria