PUBLICIDADE

Plantão - Página 8455

No New York Times, Joaquim Barbosa descarta candidatura política

No New York Times, Joaquim Barbosa descarta candidatura política

Em um longo perfil publicado neste sábado, 24, pelo jornal norte-americano The New York Times, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, é retratado como alguém direto, sem tato, mas que não tem medo de enfrentar o ‘status quo’ brasileiro.   Segundo o perfil, as ações recentes de Barbosa envolvendo o julgamento do mensalão, além de outros casos que passaram pelo tribunal, tornaram o ministro do Supremo objeto de fascínio popular. Ainda assim, em entrevista concedida ao correspondente da publicação no Brasil, Simon Romero, Barbosa afirmou que seu temperamento não é o mais adequado para o jogo político.   "Eu tenho um temperamento que não se adapta bem à política. Isso porque eu falo o que eu penso", disse Barbosa, personagem do "Saturday Profile" ("perfil de sábado") do NYT. "Não sou candidato a nada."   Com relação à recente acusação que fez ao colega de STF, Ricardo Lewandowski, de que o magistrado estaria fazendo "chicana", Barbosa não se desculpou, ressalta o NYT. Ele disse à publicação que alguma tensão é necessária para o tribunal funcionar corretamente.   "Sempre foi assim", disse ele, afirmando que os argumentos agora são apenas mais fácil de se ver, porque os trabalhos do tribunal são televisionados.   O jornal fez também uma ligação entre o trabalho do tribunal e a onda de protestos que tomou o País. Barbosa explicou que discorda da violência de alguns manifestantes, mas disse acreditar que os movimentos de rua são "um sinal de exuberância da democracia."   "As pessoas não querem ficar passivas e observar esses arranjos da elite, o que sempre foi a tradição brasileira", disse ele.   Estadão.com  

De Barcelona, Neymar posta mensagem de aniversário para o filho

De Barcelona, Neymar posta mensagem de aniversário para o filho

Recém-contratado pelo Barcelona e morando na Espanha desde julho deste ano, Neymar celebrou o aniversário do filho Davi Lucca à distância pelo Instagram. O pequeno completou dois anos neste sábado (24).   “Hoje faz 2 anos que Deus me deu a maior benção da minha vida. PARABÉNS filho. Saudade, PAPAI TE AMA”, escreveu na legenda das fotos do filho.   Em seguida, postou outra foto com uma mensagem escrita a mão. “Feliz Cumpleaños!! Te quiero”, legendou.     A mãe do garoto, a estudante Carol Dantas, também fez uma homenagem e publicou uma foto cortando o bolo com o aniversariante. “Hoje meu príncipe, meu lutador, meu super herói, meu amor, meu filho, a razão do meu viver esta completando mais um ano de vida! Desejo o melhor para você meu filho, que Deus me de muita sabedoria para conduzir você no caminho certo… Eu te amo absurdamente! Você me faz a mulher mais feliz do mundo , você me completa! Criança cheia de alegria, és bem-vinda entre nós, amada és! Nenhum dia se quer te faltará o mais perfeito e puro AMO! Parabéns meu amoor!!”, escreveu.   O padrinho de Davi Lucca, o meia Paulo Henrique Ganso também fez uma homenagem em seu perfil no Instagram, publicando uma foto ao lado da namorada, segurando o filho de Neymar no colo.   “Parabéns Davi .. 2 aninhos .. ta crescendo rápido demais.. que Deus abençoe muito você e toda sua família!!”, escreveu Ganso.     UOL Esportes  

Suplicy canta Bob Dylan em Barretos e público pede moda de viola

Suplicy canta Bob Dylan em Barretos e público pede moda de viola

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) participou na tarde deste sábado (24) da tradicional concurso gastronômico “Queima do Alho” na Festa do Peão de Barretos (SP). Convidado, Suplicy subiu ao palco montado para as apresentações de artistas para discursar e durante sua fala começou a cantar ‘Blowin’in the Wind’, de Bob Dylan. "Vou cantar uma música que se tornou um hino pelos direitos civis na década de 60", disse. Suplicy chegou a pedir acompanhamento do público para interpretar a canção, mas a ação não foi bem sucedida. Alguns participantes da Queima do Alho começaram a gritar que estavam no local para ouvir música sertaneja e queriam o som da viola, não músicas cantadas em inglês. Depois da música, Suplicy atentou para a presença do senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), que também passou pela Queima do Alho. "Temos as nossas divergências políticas, mas tenho certeza de que trabalhamos em busca dos mesmos objetivos", disse. Logo depois, o senador Suplicy circulou entre os tropeiros, posou para fotos e provou do prato preparado no fogão de lenha.     Possível presidenciável     Também em Barretos, onde visitou o Hospital de Câncer, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) passou pela Queima do Alho no Parque do Peão de Barretos, mas nem chegou a experimentar os pratos que disputavam a competição. Desde a chegada ao evento, Aécio foi cercado por participantes, e passou a maior parte do tempo cumprimentando as pessoas. De chapéu, ele discursou e cumprimentou fazendeiros para em seguida participar de uma reunião com prefeitos tucanos do interior de São Paulo. Correligionários aproveitaram a passagem do senador pela Festa do Peão para anunciar o início de uma série de viagens pelo país para discutir e apresentar uma nova agenda até a campanha das eleições de 2014. Aécio é apontado como pré-candidato do PSDB à Presidência da República, mas negou que o seu nome esteja definido. "Estou aqui hoje como presidente do partido, candidatura o PSDB terá na hora certa", disse.   G1  

Deputado do PT oferece

Deputado do PT oferece "honorários" à Anatel para atuar a favor da Oi

Autor da proposta indecente, Vicente Cândido é considerado "petista orgânico" e tem, entre seus amigos, sócios da empresa de telefonia, que tem interesse em resolver a situação de multas superiores a 10 bilhões de reais.   No fim de 2008, uma canetada do então presidente Lula (PT) permitiu a compra da Brasil Telecom pela Oi, uma das mais complexas e questionadas transações do mercado brasileiro nos últimos tempos. A assinatura aposta por Lula no decreto que abriu caminho para o negócio foi justificada com um argumento repleto de ufanismo: era preciso criar um gigante nacional no setor de telecomunicações para competir em condições de igualdade com as concorrentes internacionais.   A operação bilionária foi cercada de polêmica por outras razões. Primeiro, porque a Oi fechou o negócio graças a um generoso financiamento público. Além disso, a empresa tinha e tem entre seus controladores o empresário Sérgio Andrade, amigo do peito de Lula desde os tempos em que o petista era um eterno candidato a presidente. E a mesma Oi, três anos antes, investira 5 milhões de reais na Gamecorp, uma empresa até então desconhecida pertencente a um dos filhos do presidente.   À parte as polêmicas, a supertele nacional não decolou como planejado e o discurso nacionalista logo caiu por terra -- e com a ajuda do próprio petista, que meses antes de deixar o Planalto criou as condições para que a Portugal Telecom comprasse uma parte da companhia.   Com o passar do tempo, porém, a Oi perdeu valor de mercado, viu aumentar suas dívidas em proporções cavalares e hoje enfrenta sérias dificuldades para investir, o que para uma empresa do ramo de telecomunicações é quase como uma sentença de morte. O destino da companhia é motivo de preocupação para o governo e para o ex-presidente Lula. Em especial, pela possibilidade de o insucesso da empresa causar danos políticos às portas de uma campanha presidencial em que o PT pretende estender sua permanência no poder.   Como explicar a ruína de um megaprojeto liderado pela maior estrela do partido e bancado em grande medida com dinheiro dos cofres públicos? Uma tarefa difícil, certamente. É legítimo que haja um esforço para ajudar uma empresa nacional. É legítimo que esse esforço também envolva agentes políticos. O que não é legítimo é a solução do problema passar por lobbies obscuros, negociatas entre partidos e até uma criminosa proposta de pagamento de propina a um servidor público em troca de uma ajuda à empresa -- episódio que aconteceu no início do mês nas dependências do Congresso Nacional, em Brasília, envolvendo o deputado federal Vicente Cândido, do PT de São Paulo, e o conselheiro Marcelo Bechara, da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).   Indicado para o cargo pelo PMDB, em 6 de agosto Marcelo Bechara foi ao gabinete do deputado depois de receber um telefonema do parlamentar convidando-o para uma visita. Entre uma conversa e outra, Cândido engrenou o assunto principal: a cobrança de multas bilionárias aplicadas à Oi pela agência. Advogado por formação, Bechara é conhecido por sua capacidade de formatar soluções jurídicas para questões aparentemente insolúveis. Ele fora o relator de uma proposta que pode dar um alívio e tanto ao combalido caixa da empresa e que será debatida em breve no conselho diretor da Anatel.   A proposta regulamenta a cobrança de multas aplicadas às companhias telefônicas. As da Oi, atualmente, somam mais de 10 bilhões de reais -- uma cifra astronômica em todos os aspectos, ainda mais se comparada ao valor de mercado da companhia, estimado em menos de 8 bilhões de reais.     Veja  

Estádios da Copa do Mundo mal chegam a 50% de ocupação

Estádios da Copa do Mundo mal chegam a 50% de ocupação

O potencial de público que as novas arenas terão após a Copa do Mundo é motivo de discussão há um bom tempo, e os primeiros números parecem não ajudar aos mais otimistas ou entusiastas. Estádio com melhor aproveitamento de seus assentos desde que abriu seus portões, o Mané Garrincha, em Brasília, tem recebido em média metade de sua capacidade total de público. Já as outras cinco arenas não alcançam sequer esse número.   O caso mais vistoso é o do Castelão, em Fortaleza. Com capacidade para 58.704 torcedores, o estádio recebeu nos últimos cinco jogos do Ceará na Série B do Brasileiro, somados, 37.378 pagantes. Ou seja: juntando o público de todas essas partidas, ainda sobraria lugar. A média de torcedor tem sido de 7.476 torcedores pagantes por jogo, o que faz a taxa de ocupação ficar em pouco mais de 12%.   Nem mesmo a oferta de ingressos promocionais têm ajudado a belíssima Arena de Fortaleza a aumentar o número de torcedores em suas dependências. Na terça-feira, quando o Ceará venceu o Guaratinguetá por 2 a 0, o valor das entradas variou de R$ 1 a R$ 60 reais. Mesmo assim, o borderô do estádio apontou que apenas 5.044 torcedores pagaram pelas entradas.   SEU VIZINHO Em Recife, os números são um pouco melhores comparado ao estádio de Fortaleza, mas ainda assim também longe de empolgar. A Arena Pernambuco, com capacidade para 42.849 torcedores, segundo a Fifa, tem recebido em média 13.230 pagantes por jogo. Nos últimos cinco confrontos em seu gramado, em apenas um o público chegou a 20 mil pessoas. Por outro lado, não mais do que 9.669 torcedores pagaram para ver Botafogo 1 x 1 Fluminense, em 7 de julho.   A Arena Fonte Nova, onde o Bahia manda seus jogos no Brasileirão, é a que melhor tem se saído em termos de público nos novos estádios do nordeste. A média do estádio erguido em Salvador tem girado em torno de 21 mil pagantes. O maior público nos últimos cinco confrontos foi registrado no empate do Bahia com o Vitória, em 21 de julho, quando 36.996 pessoas pagaram para assistir ao clássico estadual.   MELHORES Por causa do valor salgado das entradas - que chegaram a custar R$ 250 no clássico entre Vasco e Botafogo -, o público do Maracanã tem se concentrado atrás dos gols, o que muitas vezes faz o torcedor que assiste ao jogo pela TV ter a falsa impressão de estádio vazio. Nas últimas partidas, porém, a média de ocupação do Maracanã tem sido de cerca de um terço dos 73.531 torcedores que o estádio comporta. Vale ressaltar que dois dos cinco jogos foram clássicos regionais.   Mineirão e Mané Garrincha são, das "novas arenas", as que mais têm recebido torcedor. Em Minas, a média de público é de 27.173 torcedores. O Cruzeiro manda seus jogos no estádio municipal. Em Brasília, essa taxa de ocupação chega a bater nos 50%, o que também ainda não é bom. Mas o estádio chegou a receber 61.767 pagantes na vitória do Flamengo sobre o Vasco, em 14 de julho. O Mané Garrincha tem recebido jogos de equipes do Rio de Janeiro, e como a cidade tem bastante torcedor dos times cariocas, a chance de preencher os assentos é maior.     Veja a ocupação das novas arenas nas última cinco vezes em que elas foram utilizadas:   ARENA PERNAMBUCO Capacidade: 42.849 Total de público pagante dos últimos 5 jogos: 66.153 Média de público pagante: 13.230   Jogos Náutico 0 x 1 Fluminense, 17 de agosto Pagantes: 16.583 Renda: R$ 408.615 Ingressos variavam de R$ 25 a R$ 160   Náutico 0 x 0 Atlético-MG, 10 de agosto Pagantes: 19.997 Renda: R$ 508.430 Ingressos variavam de R$ 25 a R$ 120   Náutico 3 x 0 Internacional, 28 de julho Pagantes: 19.488 Renda: R$ 517.290 Ingressos variavam de R$ 25 a R$ 160   Botafogo 1 x 1 Fluminense, 7 de julho Pagantes: 9.669 Renda: R$ 368.550 Ingressos variavam de R$ 30 a R$ 60   Náutico 1 x 3 Ponte Preta, 6 de julho Pagantes: 20.413 Renda: R$ 494.102,00 Ingressos variavam de R$ 18 a R$ 180     CASTELÃO Capacidade: 58.704 Total de público pagante nas últimos 5 partidas: 37.378 Média de público pagante: 7.476   Jogos Ceará 2 x 0 Guaratinguetá, 20 de agosto Pagantes: 5044 Renda: R$ 47.701 Ingressos variavam de R$ 1 a R$ 60   Ceará 0 x 1 Atlético-GO, 9 de agosto Pagantes: 10.716 Renda: R$ 149.695 Ingressos variavam de R$ 1 a R$ 60   Ceará 2 x 1 América-RN, 6 de agosto Pagantes: 9.459 Renda: R$ 132.781 Ingressos variavam de R$ 1 a R$ 60   Ceará 3 x 1 Chapecoense, 30 de julho Pagantes: 6.542 Renda: R$ 82.682 Ingressos variavam de R$ 1 a R$ 80   Ceará 4 x 1 ASA, 13 de julho Pagantes: 5.617 Renda: R$ 87.184 Ingressos variavam de R$ 1 a R$ 80     FONTE NOVA Capacidade: 52.048  Total de público pagante nas últimas 5 partidas: 105.265 Média de público pagante: 21.053   Jogos Bahia 0 x 0 Santos, 18 de agosto Pagantes: 10.247 Renda: R$ 389.850 Ingressos variavam de R$ 30 a R$ 165   Bahia 0 x 3 Grêmio, 11 de agosto Pagantes: 18.498 Renda: R$ 713.207 Ingressos variavam de R$ 7,50 a R$ 165   Bahia 3 x 0 Flamengo, 31 de julho Pagantes: 26.033 Renda: R$ 1.131.520 Ingressos variavam de R$ 7,50 a R$ 165   Bahia 2 x 1 Goiás, 28 de julho Pagantes: 13.491 Renda: R$ 425.980 Ingressos variavam de R$ 7,50 a R$ 165   Vitória 0 x 0 Bahia, 21 de julho Pagantes: 36.996 Renda: R$ 1.311.982 Ingressos variavam de R$ 7,50 a R$ 165     MANÉ GARRINCHA Capacidade: 68.009 Total de público pagante nas últimas 5 partidas: 173.312 Média de público pagante: 34.662   Jogos Flamengo 0 x 0 São Paulo, 18 de agosto Pagantes: 44.164 Renda: R$ 2.713.965 Ingressos variavam de R$ 25 a R$ 220   Botafogo 1 x 1 Goiás, 10 de agosto Pagantes: 23.322 Renda: R$ 1.440.765 Ingressos variavam de R$ 25 a R$ 200   Flamengo 1 x 1 Portuguesa, 7 de agosto Pagantes: 12.511 Renda: R$ 694.060 Ingressos variavam de R$ 30 a R$ 160   Flamengo 3 x 0 Atlético-MG, 4 de agosto Pagantes: 31.548 Renda: R$ 1.987.775 Ingressos variavam de R$ 25 a R$ 260   Vasco 0 x 1 Flamengo, 14 de julho Pagantes: 61.767 Renda: R$ 4.071.470 Ingressos variavam de R$ 25 a R$ 260     MARACANÃ Capacidade: 73.531 Total de público pagante nas últimas 5 partidas: 115.554 Média de público pagante: 23.111   Jogos Botafogo 4 a 2 Atlético-MG, 22 de agosto Pagantes: 16.153 Renda: R$ 668.975 Ingressos variavam de R$ 10 a R$ 150   Fluminense 1 x 0 Goiás, 21 de agosto Pagantes: 16.600 Renda: R$ 260.420 Ingressos variavam de R$ 10 a R$ 120   Botafogo 3 x 3 Internacional, 15 de agosto Pagantes: 15.047 Renda: R$ 479.645 Ingressos variavam de R$ 30 a R$ 150   Fluminense 0 x 0 Corinthians, 14 de agosto Pagantes: 13.237 Renda: R$ 341.740 Ingressos variavam de R$ 20 a R$ 180   Fluminense 2 x 3 Flamengo, 11 de agosto Pagantes: 29.538 Renda: R$ 1.793.425 Ingressos variavam de R$ 20 a R$ 180   Vasco 2 x 3 Botafogo, 4 de agosto Pagantes: 24.979 Renda: R$ 1.375.320 Ingressos variavam de R$ 40 a R$ 250     MINEIRÃO Capacidade: 57.483 Total de público pagante nas últimas 5 partidas: 135.867 Média de público pagante: 27.173   Jogos Cruzeiro 2 x 1 Flamengo, 21 de agosto Pagantes: 33.645 Renda: R$ 1.660.580 Ingressos variavam de R$ 35 a R$ 170    Cruzeiro 5 x 1 Vitória, 17 de agosto Pagantes: 14.369 Renda: R$ 670.185 Ingressos variavam de R$ 35 a R$ 130   Cruzeiro 0 x 0 Santos, 11 de agosto Pagantes: 27.444 Renda: R$ 1.310.520 Ingressos variavam de R$ 35 a R$ 130   Cruzeiro 1 x 0 Coritiba, 3 de agosto Pagantes: 25.108 Renda: R$ 1.298.440 Ingressos variavam de R$ 35 a R$ 130   Cruzeiro 4 x 1 Atlético-MG, 28 de julho Pagantes: 35.301 Renda: R$ 1.792.900 Ingressos variavam de R$ 40 a R$ 130   Estadão  

Incêndios criminosos na Terra Indígena Marãiwatsédé - Suiá Missú

Incêndios criminosos na Terra Indígena Marãiwatsédé - Suiá Missú

Mais de  20% dos 165 mil hectares da terra indígena xavante Marãiwatsédé foram consumidos ao longo do último mês por focos de incêndios que, segundo o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), têm origem criminosa. Um hectare corresponde a 10 mil metros quadrados, o equivalente a um campo de futebol oficial.   De acordo com o Ibama, a estimativa é que ao menos 31 mil hectares haviam sido queimados até a última sexta-feira (16), o que representava 18% da área, porém o fogo só aumenta, e Brigadistas do Centro Especializado de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais (Prevfogo), do instituto, foram enviados ao local para tentar controlar os focos de incêndio, mas enfrentam dificuldades para trabalhar em função da 'ação criminosa de vândalos, que estão ateando fogo em várias partes da terra indígena', conforme informou o Ibama. A presença policial foi requisitada.   Com base em dados de satélites usados para monitorar os focos de calor na região, os técnicos do Prevfogo identificaram, nos últimos 30 dias, 120 focos de incêndio no interior da área indígena. A maioria próximo às rodovias que cortam ou circundam a área indígena. Além dos danos ao meio ambiente, o Ibama alerta para os riscos que as queimadas oferecem para a comunidade indígena e para as propriedades existentes fora dos limites de Marãiwatsédé.   O cacique Damião disse que a suspeita recai sobre antigos posseiros da área, pessoas que, tempos depois de serem retiradas do local, voltaram a se instalar no interior da terra indígena com o pretexto de reivindicar serem alojadas em um local adequado.   'É fogo criminoso. Não temos dúvida nenhuma de que são as pessoas retiradas da área que agora estão dando problemas. Está queimando tudo. Duas pontes foram queimadas', disse Damião, comentando que embora os próprios índios tenham organizado patrulhas para ajudar a impedir o ingresso de não índios, não conseguem deter os criminosos. 'A área é grande e eles sabem quando não têm nenhum de nós por perto'.   Segundo o secretário nacional de Articulação Social, da Presidência da República, Paulo Maldos, o governo federal não vai permitir que os antigos posseiros retornem ao local. 'Aquela é uma área indígena consolidada. O Incra ofereceu aos antigos posseiros [que se encaixam no perfil de beneficiários de programas de reforma agrária], mas muitos nem chegaram a visitar o local e recusaram'.   A reserva fica na região nordeste de Mato Grosso, a cerca de mil quilômetros da capital, Cuiabá, antes, era conhecida como Gleba Suiá Missú, alusão à antiga fazenda de mesmo nome, criada com a ajuda dos índios que, até então, viviam na região.   Embora o Estado brasileiro tenha reconhecido e homologado a área como território tradicional indígena em 1998, só em janeiro deste ano o governo conseguiu concluir a retirada dos não índios do local. Ação que os ministros da Justiça, José Eduardo Cardozo, e da Secretaria Geral da República, Gilberto Carvalho, classificaram como uma 'verdadeira operação de guerra'.   Agência Brasil  

Holanda inaugura escolas

Holanda inaugura escolas "Steve Jobs", que usam iPad na educação infantil

A Holanda inaugurou, na quarta-feira (7), em várias cidades do país, sete unidades da Steve JobsSchool, uma instituição experimental que defende o uso de tablets da Apple no ensino infantil.   As escolas, que foram primeiramente propostas por autoridades do país em março de 2012, seguem a metodologia da fundação O4NT (Educação para um novo tempo), uma ONG que estimula o acesso de aluno a iPads durante o aprendizado.   Segundo o especialista em tecnologias Maurice de Hond, da O4NT, as escolas de hoje não preparam as crianças para o mundo digital, mas para o "universo de ontem".   A ONG diz promover talentos individuais e desenvolver "habilidades do século 21", como processamento de informação e colaboração, além de formar mentes críticas e criativas.   Além do ambiente físico, os alunos têm acesso a um espaço virtual de aprendizagem, o que pode permitir que horários de aulas e férias sejam mais flexíveis. A legislação holandesa atualmente impede a viabilização desse cenário, mas a O4NT pretende resolver esse empecilho.   A fundação ainda espera expandir seu modelo para outros países em 2014, permitindo a crianças estrangeiras que falem holandês participar de cursos on-line pelo iPad.   Sneek, Breda, Almere, Emmen, Heenvliet e Amsterdam foram as primeiras cidades a receber unidades da Steve JobsSchool, mas, até o fim do ano letivo em curso, haverá pelo menos 12 escolas na Holanda seguindo o modelo de ensino da O4NT, de acordo com a própria ONG.   Folhatec  

Holanda inaugura escolas

Holanda inaugura escolas "Steve Jobs", que usam iPad na educação infantil

A Holanda inaugurou, na quarta-feira (7), em várias cidades do país, sete unidades da Steve JobsSchool, uma instituição experimental que defende o uso de tablets da Apple no ensino infantil.   As escolas, que foram primeiramente propostas por autoridades do país em março de 2012, seguem a metodologia da fundação O4NT (Educação para um novo tempo), uma ONG que estimula o acesso de aluno a iPads durante o aprendizado.   Segundo o especialista em tecnologias Maurice de Hond, da O4NT, as escolas de hoje não preparam as crianças para o mundo digital, mas para o "universo de ontem".   A ONG diz promover talentos individuais e desenvolver "habilidades do século 21", como processamento de informação e colaboração, além de formar mentes críticas e criativas.   Além do ambiente físico, os alunos têm acesso a um espaço virtual de aprendizagem, o que pode permitir que horários de aulas e férias sejam mais flexíveis. A legislação holandesa atualmente impede a viabilização desse cenário, mas a O4NT pretende resolver esse empecilho.   A fundação ainda espera expandir seu modelo para outros países em 2014, permitindo a crianças estrangeiras que falem holandês participar de cursos on-line pelo iPad.   Sneek, Breda, Almere, Emmen, Heenvliet e Amsterdam foram as primeiras cidades a receber unidades da Steve JobsSchool, mas, até o fim do ano letivo em curso, haverá pelo menos 12 escolas na Holanda seguindo o modelo de ensino da O4NT, de acordo com a própria ONG.   Folhatec  

Sem concluir, Estado repassa Centro de Reabilitação para Cáceres

Sem concluir, Estado repassa Centro de Reabilitação para Cáceres

O Prefeito de Cáceres (240 km de Cuiabá), Francis Maris Cruz, assinou nesta sexta-feira (23) um convênio com o Governo do Estado que garante o repasse do prédio do Centro de Reabilitação para o município. A cessão do prédio para a gestão municipal foi assinada por Silval Barbosa (PMDB) e também pelo secretário Estadual de Administração, Francisco Faiad, e pelo secretário-chefe da Casa Civil, Pedro Nadaf.   A demanda era uma das metas da atual gestão e estava sendo articulada desde o início do ano. De acordo com o prefeito, trata-se de um avanço para o município. “Após os entraves burocráticos, conseguimos realizar mais esta demanda. Agora o próximo passo é garantirmos recursos e viabilizarmos a reforma da unidade além de equipá-la”, afirmou.    Junto com o novo Prédio, o Governo do Estado também cedeu à Prefeitura os equipamentos já adquiridos anteriormente pelo Governo para o funcionamento da Unidade.   O Centro de Reabilitação de Cáceres foi inaugurado pelo Governo do Estado em 19 de novembro de 2010, mas não entrou em funcionamento. Segundo o prefeito, a Prefeitura vai transferir para o local a equipe da Secretaria de Saúde que já trabalha com reabilitação. Hoje, a unidade funciona na Rua São Pedro, próximo à Unemat.   O Centro de Reabilitação de Cáceres atende uma média de 490 pacientes ao mês com reabilitação física e intelectual acompanhado de perto por assistentes sociais, fonoaudiólogos e fisioterapeutas. A perspectiva é de que, com o novo local, a demanda seja ampliada e o Centro passe a atender os 12 municípios da região e se tornar um centro de referência em média complexidade.   Para isso, além da reforma, a Secretaria de Saúde também está credenciando o serviço junto ao Ministério da Saúde para a garantia de recursos do Governo Federal com o objetivo de equipar e modernizar a unidade.   Assessoria de Comunicação  

"Amor à Vida": Félix vai para cama com Edith e eles pensam em recomeçar

 Depois de ser demitido do hospital e expulso de casa, Félix (Mateus Solano) é surpreendido com uma declaração de amor de Edith (Bárbara Paz), que até oferece os R$ 2 milhões que ganhou de César (Antônio Fagundes) para manter o casamento de fachada. As cenas devem ir ao ar em "Amor à Vida" no dia 13 de setembro.   Comovida com a situação do vilão, Edith propõe que eles recomecem a vida juntos, deixem as armações de lado, seus amantes para trás e relevem o fato de Félix ser gay.   "Para, Edith. Chega! Você sabe como eu estou abalado. Fui enxotado de casa pelo meu pai. A mamy diz que vai me ajudar, mas eu vou ter que viver de migalhas. Aí você vem me oferecer solidariedade, agora que estou por baixo, na esperança que eu fique por cima de novo e retribua. Você é uma negociante esperta, Edith", diz o vilão com o orgulho ferido.   Edith abre seu coração e se mostra disposta a ser feliz ao lado do vilão, mesmo sem dinheiro. "Eu também não sabia que te amava tanto. Até te ver tão humilhado, expulso de casa pelo seu pai.  Ah, Félix... Você pode ter essas tendências, pode ter feito coisas horríveis. Mas o meu amor por você é maior que isso tudo". Os dois se beijam e passam a noite juntos.   UOL Entretenimento