Quinta-Feira, 27 de Abril de 2017
Boca no Trombone - “Quem vê a barba do vizinho arder põe a sua de mol

“Quem vê a barba do vizinho arder põe a sua de mol

Logo após aquela triste noite aterrorizante em que se transformou a cidade de santa Maria como palco da tragédia sem precedentes para as famílias de jovens que frequentavam uma noite de lazer, que ceifou a vida de 242 pessoas e feriu maios 600 pessoas ocasionadas pela falta de trabalho preventivo dos órgãos responsáveis daquela cidade e seus proprietários, eis que surge no país inteiro por parte do poder publico uma preocupação como todos os estabelecimentos, bares, boates e casa de shows. Nesse afoito motivado pela emoção e pela sensação de que poderia acontecer em qualquer espaço de lazer deste país, muitas casas se fecharam em virtude da fiscalização das prefeituras e de corpo de bombeiros por falta de condições de segurança; como se diz o ditado: “antes tarde do que nunca”. Assim funciona o nosso país, somente após um episodio tão chocante e que as pessoas que detém o poder público acordam de suas cadeiras e resolvem cumprir o seu papel. Nessa mesma toada ocorre uma nova tragédia no país, agora no distrito de Mariana e Ouro Preto, estado de Minas Gerais, onde duas barragens romperam o silêncio, e sufocou dezenas de pessoas, desabrigou mais de 600 pessoas e ainda muitos corpos não foram encontrados. Onde estava os poderes, municipal, estadual e federal responsáveis por fiscalizar estes empreendimentos. Agora mais uma vez, o velho ditado vem à tona; “antes tarde do que nunca”. Agora após a água e a lama correr ladeira abaixo, nossos governantes anuncia fiscalização de todas as barragens pelo país afora. Ficamos na imaginação, quando será a próxima tragédia que nos acometera nossas vidas, que fará mais uma vez nossos governantes a acordarem da cadeira, e perceberem que o ditado “não adianta chorar o leite derramado” tem muito mais valor. Valney Souza Corrêa